Células estaminais – Criopreservação do sangue do cordão umbilical

células-estaminaisSabe-se actualmente que algumas células estaminais da medula se forem removidas de dadores voluntários saudáveis e depois injectadas na corrente sanguínea de pessoas doentes com leucemia ou linfoma, que estas voltam á medula óssea do doente regenerando-lhe o sangue. O uso do próprio sangue do cordão umbilical pode curar uma grande variedade de doenças, tendo mais de 22 mil hipóteses de ser eficaz.

A criopreservação do sangue do cordão umbilical é um seguro biológico para uma grande parte de doenças tais como a leucemia, linfomas, tumores, alguns tipos de anemia. Com  o sangue do próprio cordão umbilical, não é necessário procurar por um dador compatível e este ainda pode ser utilizado num irmão pois tem cerca de 25% de hipóteses de ser compatível.

A recolha ou colheita de sangue do cordão umbilical é feita da seguinte forma:

  1. Avisar com antecedência o obstetra e o hospital (equipa);
  2. O Kit é fornecido pela empresa que faz a recolha (a empresa desloca-se ao hospital ou maternidade)

Tinha conhecimento que:

As células estaminais também conhecidas por “células-mães”, existem em todos os órgãos e tecidos do corpo humano e que de tempos em tempos estas dão origem a “células-filhas”, que tem por objectivo regenerar os órgãos e os tecidos;

As “células-mães” são as mais duradouras enquanto as “células-filhas” especializam-se numa determinada função, tendo um  desgaste maior neste processo e morrendo posteriormente ao passo que as “células-mães” nascem e morrem connosco;

As células estaminais podem ser encontradas na medula óssea e existe nos ossos longos (anca, braços, coxas e esterno) o que produz o nosso sangue;

Estas células também existem no sangue do cordão umbilical mas também em embriões.

Para saber mais poder ir:

www.crioestaminal.pt

http://bebevida.com

http://europa.eu.int/comn/european_group_ethics/avis3_en.htm.

 

Outros artigos relacionados:



Deixe o seu comentário

Deixe o seu comentário, ou efectue uma ligação para este artigo.
Poderá também subscrever estes comentários via RSS.

O seu e-mail nunca será publicado. Os campo obrigatórios estão assinalados como um *