Qual a Idade ideal para se ser mãe?

Mae e Filho

Mae e Filho

Actualmente os casais adiam a decisão de ter um filho, mas a pergunta sobre se existe uma idade “ideal” para ser mãe, permanece. As regras do jogo mudaram: agora a mulher tem filhos mais tarde, os casais pensam maduramente sobre a decisão de serem  e o cenário da maternidade parece  ter-se flexibilizado. No entanto perguntamos a nós próprios se existe um momento “ideal” para se ser mãe… Por isso, analisámos detalhadamente este controverso tema.

No passado as meninas desejavam casar desde cedo, isto reflectia com bastante clareza as expectativas de qualquer adolescente. O pacote matrimonial incluía um vestido imaculado, cerimonia na igreja, um banquete de casamento, pompa e circunstância…e pouco tempo depois, um filho.

No imaginário social dos fins do século passado, havia um momento no qual se partia do principio que uma jovem devia encontrar um “bom rapaz”, atraente, um promissor marido e um bom futuro pai. Assim o imaginavam os pais para o futuro das suas filhas. Hoje, a história mostra-nos que as coisas mudaram.

Na realidade, uma jovem que termine o curso secundário quase sempre inicia uma carreira universitária, ou começa a trabalhar para colaborar no sustento da sua própria família de origem. Desta maneira, se existe um namorado ou alguém com quem sair, a curto prazo ela não pensa em casamento e muito menos em ter filhos. A prioridade é concluir o curso, e obter um “canudo” que a habilite a trabalhar naquilo que escolheu como modo de vida e de sustento.

É claro que querer a independência económica, procurar casa própria ou alugar um apartamento e viver sozinha, era uma situação impensável nesses tempos, e se isso acontecia era à custa de brigas e zangas, e discussão com os pais, que não podiam compreender a necessidade de autonomia da sua filha. Nem suspeitavam que se tratava, simplesmente, do desejo de construir o próprio ninho libertando-se da infância, da adolescência, dos papás, para começar uma vida independente sem precisar de um casamento convencional para o obter.

Outros artigos relacionados:



5 Comments

  • márcia
    Janeiro 11, 2012 | Permalink | Responder

    a idade não tem a ver com o ser mae ou nao… mas sim a mentalidade e o amor que se tem para dar a uma criança… se ficarmos a espera de um momento realmente estavel na nossa vida, entao ou nos sai a sorte grande ou nascemos num berço de ouro, o que para a maioria nao é a realidade nem nunca vai ser. por isso se gostamos de crianças, se temos o deseljo de ter um filho, se temos um companheiro á altura de ser pai, porque nao?
    vamos esperar para que? antigamente os meus bisavos e os meus avos criaram os filhos no campo a trabalhar, em casa nao havia casa de banho, a comida era á conta e mesmo assim todos eram saudaveis e felizes… onde comem 2 comem 3… só nao temos que querer tudo do bom e do melhor… este consumismo exagerado é que nos vem baralhar a cabeça, porque nao usar roupinhas usadas? porque é que tem que ter um carrinho d passeio de 500€?
    se há amor e carinho para oferecer é só ir em frente!
    (tenho 22 anos e tambem vou ter o meu bebé, se Deus quiser 🙂 )

  • celia
    Setembro 27, 2011 | Permalink | Responder

    olaa claudia olha axo qe és mto novinha para pensares em ser mae axas memo qe ele é o rapaz certo?deves de analisar isso bemmm e ver se as intençoes dele sao as mesmas qe as tuas e assim podereres avançar tanto na tua relaçao como a ideia de terem um filho

  • claudia vieira
    Agosto 20, 2011 | Permalink | Responder

    Ola! Queria ser mae e tenho um bom companheiro e ja vivo com ele, tenho 20 anos e vou comexar a trabalhar durante 6 meses e n sei se tou na altura serta da minha vida para engravidar. Gostava que me dessem uma openiao se sigo a minha vida normal ao engravido

    • beatriz
      Setembro 4, 2011 | Permalink | Responder

      ola claudia eu tenho 25 anos e o menino de dois anos e meio ele diz que gosta de ter os pais jovesns por isso…tu e que sabes

  • nem tudo é relativo
    Maio 22, 2011 | Permalink | Responder

    Há coisas que se podem relativizar, outras não. Nem tudo vai dentro do mesmo saco. Noutros países europeus que há uns anos , uns bons anos atrás se pensava da forma como se pensa neste artigo, deram meia volta e começaram a dar valor à fase de maternidade das mulheres no momento certo. Porquê? porque existe a dinâmica das populações e taxas de natalidade decrescentes quie colocam em causa os mecanismos de segurança social de quem espera ter no futuro a sua reforma – isto em países normais; o que exclui o nosso à partida.
    Os governos (Alemanha, Suécia…) decidiram apoiar a permanencia das mães junto dos seus filhos, ou seja, promover a natalidade quando há desejo para isso, quando é mais provavel ter sucesso em engravidar. Por um lado satisfaz quem mesmo tendo o seu emprego tem desejo de ter ainda jovem os filhos e poder goza-los, estar com eles quando são pequenos, acompanha-los nos primeiros passos, dar-lhes o que normalmente todas as mães em fase precoce do desenvolvimento dos filhos querem. Por outro lado, o Estado evita gastos desnecessários em tratamentos de fertilidade em idades em que engravidar já envolve risco e é menos provavel de acontecer, por outro relança a natalidade e a base de sustento daqueles que serão idosos, futuramente.
    Só vejo vantegens em acompanhar os ritmos da natureza. Ela tem uma sabedoria de…talvez milénios. E há coisas que por muito que tentemos relativizar, são como são e ainda bem.
    Já que estamos a falar de filhos, senão um casamento convencional, pelo menos uma união natural. Parece-me bastante egoista criar uma criança sozinha, a criança vive de equilíbrios. Se possível duas pessoas equilibradas a dar a atençao e amor de que todos precisámos. Por isso nascemos de dois e não de um…a natureza tem destas coisa…é sábia e após milénios ensina-nos muito melhor de que é feito o nosso equilíbrio.

One Trackback

  • url url'>IDADE PARA SER MÃE | Enciclopédia Materna
    Outubro 16, 2015 | Permalink | Responder

    […] FONTE NET BEBÊS   – CLIQUE AQUI […]

Deixe o seu comentário

Deixe o seu comentário, ou efectue uma ligação para este artigo.
Poderá também subscrever estes comentários via RSS.

O seu e-mail nunca será publicado. Os campo obrigatórios estão assinalados como um *