Amamentação

Bebé a mamar

Bebé a mamar

Rita acabou de nascer. Logo de seguida, colocaram-na sobre Anabela , a mãe, que a olha, fascinada, enquanto lhe acaricia a pele nua. A parteira examina rapidamente a menina, procurando não interferir nos olhares que mãe e filha trocam. As hormonas começam a funcionar e Rita , que tem os olhos abertos e está muito desperta e activa, como todos os bebés na primeira hora após o parto, começa-se a mexer em direcção da mama da mãe, cheirando, olhando o seu objectivo. Ao fim de meia hora de contacto pele com pele, apanha a mama e consegue mamar com um técnica perfeita, enquanto a mãe recebe uma torrente de hormonas  que a ajudam a ligar-se à filha de uma forma especial, algo semelhante com  paixão sentida entre adultos.

Esta história não é ficção, mas a forma mais fácil e natural de iniciar a amamentação materna. Que felizmente, já não é hoje um privilégio reservado às mulheres que dão à luz em países nórdicos; cada vez mais hospitais em portugal cumprem os “dez passos para a amamentação materna” promovidos pela UNICEF, entre os quais se inclui a prática do chamado “método canguro” na sala de partos para recém-nascidos de termo.

Este método começou a ser utilizado com os prematuros, quando se comprovou que os bebès internados nas Unidades de Cuidados Intensivos Neonatais evoluiram melhor se passavam muito tempo em contacto, pele com pele, com a mãe e o pai. Conclui-se ainda que, além do mais, esse processo facilitava o aleitamento materno.

Trata-se de um reflexo natural da nossa condição de mamíferos, preparados para nos guiarmos pelo instinto, que se manifesta e traz os seus benefícios quando não se separa a mãe do recém-nascido, excepto quando é mesmo necessário.

A pequena Rita nasceu á duas horas. Só agora a vão buscar para pesar, acabar de examinar e deitar-lhe nos olhos as gotas para evitar infecções. Se as tivessem colocado antes, não pderia olhar  para a mãe do modo como o fez.

Para trás ficaram normas rigidas, que os hospitais seguiam, de separar a mãe do filho durante horas, de administrar biberões ou soros antes de o colocar na mama, de deixar que mamasse apenas uns minutos ou de estabelecer horários rígidos para as mamadas.

Outros artigos relacionados:



Deixe o seu comentário

Deixe o seu comentário, ou efectue uma ligação para este artigo.
Poderá também subscrever estes comentários via RSS.

O seu e-mail nunca será publicado. Os campo obrigatórios estão assinalados como um *